Eu prometi pra mim mesma que nunca mais iria te responder, e o fato de você aparecer esporadicamente agora, me ajuda a te esquecer. O problema é que você não conseguiu decidir ainda se é isso mesmo que você quer.

Então, quando começo a me acostumar com sua ausência, você reaparece das cinzas dizendo estar com saudades – sendo que quem sumiu aqui não fui eu. Daí eu perco o controle, quebro minha promessa, te respondo como se nada tivesse acontecido, sem nem ao menos disfarçar o imediatismo e você some, para de responder e só volta dali duas semanas de novo.

No começo eu achava que era saudade de verdade, mas agora eu percebi que você só quer me manter ali. Alimentando seu ego. Some pra fazer esse jogo desprezível de conquista barata, depois reaparece pra ter certeza de que não foi tempo suficiente pra ser esquecido.

Volta só pra confirmar se eu ainda  na sua, se eu correspondo a falta que você diz sentir. Então percebe que ainda é desejado, enche seu ego, depois vai embora.

O pior é que você me pedia pra dizer tudo que eu sentia, sempre. E quando eu o fazia, você tentava me transformar na culpada da situação, fazer eu me sentir louca, inverter o jogo, como se querer você presente todos os dias fosse algum tipo de pecado mortal.

Mas sabe, o único culpado aqui é quem brinca com os sentimentos dos outros. Esse papo de sumir pra eu te querer ainda mais, mal conversar comigo ou não se importar com o que acontece de bom ou ruim na minha vida, só mostra que todas suas declarações foram vazias, só pra me manter por perto. Pra me ver indo atrás de você, encantada com sua irresistibilidade, como todas as outras fazem.

Antes eu te dizia tudo que queria, sentia, mas agora não me dou ao trabalho. Porque cansei de fazer papel de louca da vez. Cansei de justificar o injustificável: que eu gosto – ou gostava, nem sei mais – de você e ponto. Não precisa ser mais complicado que isso.

Cada semana longe é tempo suficiente para reconstruir barreiras que você derrubou. Vai chegar um dia em que você ressurgirá das cinzas e não encontrará nada. Vai dar de cara com o muro e eu estarei do outro lado, lamentando o que poderia ter dado certo, mas ao mesmo tempo feliz por não ter dado. Sabe por quê?

Porque o que tem que acontecer, acontece naturalmente. As verdades são ditas e o outro fica feliz em saber que é desejado, ao invés de usar essa informação como água fervente pra manter uma relação em banho maria.

Essa água está secando cada dia mais, e daqui a pouco o que você achava estar cozinhando e mantendo sob controle, vai queimar e dessas cinzas eu não vou ressurgir.