Se faz você sentir que não é boa o suficiente, fuja enquanto é tempo. Nós temos a mania de achar que poderíamos ter feito mais, diferente ou melhor. Que não deveríamos ter dito aquilo, que poderíamos ter fingindo aquela outra coisa, enfim.

Mas se fosse diferente não seria você, entende? Percebe como é ruim estar em uma relação em que você sente que ser você não é o suficiente?

Quando a gente gosta, é mais fácil ignorar os erros do outro e achar que nós que devemos e podemos melhorar. “Se ele não gosta deste jeito, porque não mudar pra fazê-lo me aceitar?” porque essa é você!!!!! Não dá para fingir pra sempre ou viver enjaulada pra agradar alguém, principalmente por aceitação. “Aceitar” dá a ideia de que você é um fardo a ser suportado, e não é esse o objetivo. O objetivo é ser leve.

Ninguém fica com outra pessoa pra ter uma vida pior. O objetivo é sempre ser mais feliz do que já estava antes, certo? Seja apenas sexo ou uma relação consolidada. Então se te faz sofrer, se te machuca, se te dá incerteza, insegurança, ansiedade e estresse, esquece!

Se te dá menos do que você oferece ou merece, também é hora de fugir. Se fosse pra ser já teria sido, porque quando é pra ser, é fácil e simples. Acontece. Ninguém complica com desculpas esfarrapadas ou meia dúzia de palavras decoradas.

Quem quer faz, quem gosta demonstra, quem é pra ser fica. E se for pra ser, vai ser do jeito que é, cada um com seus defeitos e qualidades.

Pare de pensar que a culpa foi sua, que o erro foi seu ou que há algo de errado com você. A vida é feita de prioridades e, se ele priorizou relacionamentos rasos, não perca sua imensidão pra ficar boiando na superfície. Você é mar, vez calmo, vez violento, mas ele não sabe navegar. Aproveite sua profundidade, quem sabe um dia alguém corajoso vai mergulhar de cabeça pra desvendar os mistérios da sua infinidade.

Se você percebeu que realmente agora é hora de fugir, então fuja. Talvez um dia ele sinta coragem e queira tentar navegar em ti de novo, mas provavelmente ele perceberá que foi tarde demais, por ter sentido de menos.